21 de julho de 2017

ABC registra menor taxa de desemprego do ano com índice de 16,4%

A taxa de desemprego na região do ABC registrou queda expressiva de dois pontos, recuou de 18,4% em abril, para 16,4% em maio, conforme pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) realizada pela Fundação Sead e divulgada nesta quarta-feira (28). O índice é o menor do ano e fica abaixo inclusive do registrado em maio de 2016, 17,1%.

Desde de janeiro, a taxa de desemprego no ABC registou algumas oscilações. Iniciou o ano com 17%, em fevereiro subiu para 17,5% e avançou em março para 19,2%.

O principal fator para a queda do índice divulgado este mês está diretamente relacionado ao fato de menos pessoas estarem procurando emprego, que se enquadram dentro da chamada População Economicamente Ativa (PEA). De acordo com a entidade, de abril para maio houve redução de um contingente de 30 mil pessoas na força de trabalho ativa, que foram para inatividade.

“O nível de ocupação ficou praticamente estável, variou 0,3%, que representa 3 mil novos postos de trabalho, não é significativo estatisticamente. O que fez com que a taxa caísse foi a saída dessas 30 mil pessoas do mercado de trabalho”, afirma Alexandre Loloian, economista Fundação Sead.

O economista explica ainda que essas pessoas classificadas dentro do PEA deixaram de procurar colocação no mercado. “Seria bom se tivéssemos uma situação mais favorável de estabilidade econômica. Nossa pesquisa não é qualitativa, mas pode ser também que por conta das dificuldades, as pessoas deixaram de procurar porque acham que não vão encontrar ou não tem mais dinheiro pra ficar pagando condução, refeições, etc”, diz.

Sobre os três mil novos empregos gerados, dentro do nível de ocupação, por conta da nova configuração da pesquisa, sem a parceria que existia com o Consórcio Intermunicipal Grande ABC, não é mais possível destacar quais foram os segmentos e composição que mais agregaram as novas ocupações. “Pode ser que tenha alguma relação com a indústria automobilística, que é muito forte na região. Se tem notícias de aumento de exportações, mas não tenho como garantir”, ressalta Loloian.

Rompimento de Contrato

Até março deste ano, os números da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), eram divulgados por meio de parceria firmada entre a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e o Consórcio Intermunicipal Grande ABC. No entanto, o última pesquisa divulgada nesses moldes ocorreu no final de março deste ano.

A parceria entre as entidades foi firmada em 1998, na gestão do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel (morto em 2002), quando presidia o Consórcio. A pesquisa feita pelo órgão contemplava dados de 300 domicílios e após realização do contrato, o número foi dobrado e passou a contar com mostra de 600, fator que permitia agregar conjunto maior e mais completo de informações.

Com isso, a entidade não conta mais com os dados desagregados, que apresentavam indicadores do setor de atividade, tipo de contratação, gênero, entre outros. Agora se restringe apenas a taxa de desemprego e voltou a cobrir apenas 300 domicílios no ABC.

rh
About mkt

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *